Conecte-se conosco

Artigos

Precisamos de mais jogos de Mundo Aberto?

Publicado

em

games mundo aberto img01

Como é bom embarcar em uma história que nos leve por caminhos diferentes, não é mesmo? Desbravar e criar um mundinho só seu, cheio de possibilidades, mas que hoje em dia já nos alerta com uma reflexão importante: os games precisam ser de Mundo Aberto para serem bons e venderem mais?

A duas últimas gerações de consoles vêm construindo um longo caminho, aparentemente sem volta, tomando para si todo avanço tecnológico a fim de possibilitar ao jogador novas formas de interatividade e narrativa. Tudo isso nos trouxe ao universo de infinitas possibilidades proporcionado pela liberdade de um gameplay aberto.

Com GTA e Skyrim descobrimos as maravilhas com a infinidade de conteúdo para ser consumido dentro de cada game, nos levando a dezenas de horas e fazendo pensar, no alto da nossa empolgação e hype, que “jogo bom é jogo de mundo aberto!”. Bastou a tendência dos jogos sandbox cair na graça dos gamers para surgirem jogos de corrida em mundo aberto, aventura, ação, RPG, luta, jogos de tiro e até mesmo esporte.

A CD Projekt Red aprendeu com os jogos de Mundo Aberto e nos mostrou, com The Witcher 3, que era possível entregar um game mais adulto e completo, porém será que a indústria aprendeu com Geralt de Rivia como entregar um mapa repleto de objetivos diversos sem fazer o player perder o interesse no meio do caminho?

Será que já não nos cansamos de enfrentar o desconhecido por personagens em perigo, atravessamos mapas gigantescos coletando itens, caçando tesouros, enfrentando inimigos por informações, armas ou armaduras, combatemos exércitos e seus generais pelo controle de áreas, para nos entreter até a última e simplória missão?

Mapas cada vez maiores, mas será que cada vez mais interessantes?

Mapas cada vez maiores, mas será que cada vez mais interessantes?

O desafio de finalizarmos jogos de Mundos Abertos deixou de ser o último chefão para dar lugar ao tempo como nosso maior inimigo; tempo de nos comprometermos com uma jornada tão extensa, sem contar aquela vaga vontade de obter uma platina.

Perdemos o fator surpresa com o modo exploração dos jogos sandbox que apenas prolongam a nossa jornada de maneira banal. Como Yves Guillemont afirmou sobre o recebimento negativo do primeiro Watchdogs, muitas vezes queremos tudo em um game só, mas ninguém parou para pensar que a recompensa de um bom jogo não é o tempo que ficamos com ele, mas sim os bons momentos, breves ou longos, que ele pode nos proporcionar.

Final Fantasy XV se rendeu ao sandbox com caçadas, busca de tesouros e passeios enfadonhos por belíssimas páginas, podemos atravessar os EUA de carro e com os amigos em The Crew, descer montanhas geladas com snowboard e da maneira como queremos, hackear cidadãos ou salvar Nova Iorque de um vírus já é possível para quem ainda está no colegial.

Todos esses recentes games não são problemas para o mercado, afinal apenas o esquema procedural para os planetas de No Man’s Sky e seus milhares de dólares acabou perdendo para o procedural indie de The Flame in the Flod e seu gameplay simples e aberto de sobrevivência. Até Zelda está se redendo ao estilo sandbox!

A grande questão não é qual jogo é bom ou ruim, mas sim: nós precisamos de mais jogos de Mundo Aberto?

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

1 comentário
Subscribe
Notify of
guest
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Guilherme Bova
5 anos atrás

Legal o questionamento. Particularmente, eu não acredito que o preoblema esteja no formato mundo aberto mas no quão o escopo do jogo é aberto. Por exemplo, The Witness pode ser considerado um jogo em mundo aberto. Talvez não seja o maior de todos, mas é um mundo aberto, livre para ser explorado. A diferença de The Witness é que, como projeto, ele tem foco. Não há ali objetivos secundários bobocas para satisfazer a vontade do jogador médio de coletar, atirar, coletar e atirar. Infelizmente, a maioria dos jogos sandbox e mundo aberto são jogos cujo investimento é muito alto, portanto, devem satisfazer a maior parte da galera. Por isso temos essa onda de jogos genericos onde tem de tudo pra se fazer, mas que no final fica aquela sensação de dejavu. Mas a galera parece que tá curtindo o estilo, inclusive o grande lançamento desse ano, o tal do Horizon Zero Dawn, parece seguir nesses mesmos passos de mundo aberto generico super produção de tirinho e ação. Crackdown 3, a mesma coisa.

Enfim, respondendo a sua pergunta eu digo que precisamos de jogos mais focados, independente do formato

Publicidade
1
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x