Conecte-se conosco

Previews

No espaço de Breathedge, ninguém pode ouvir você cacarejar

Publicado

em

breathedge

Jogos de sobrevivência nos dias de hoje dá para comprar seis por um real na feira, consumir em um final de semana e ainda ficar com a sensação de vazio. Para se destacar em um cenário de fortíssima competitividade, um desenvolvedor precisa de mecânicas sólidas ou um cenário inédito. Entretanto, uma galinha imortal e piadas de mictório também funcionam.

Breathedge entrega exatamente isso: mecânicas que funcionam a contento e desafiam, um cenário inédito de tirar o fôlego, e a tal galinha imortal que você usa para interromper circuitos elétricos (entre outras mil e uma utilidades) e não perde a oportunidade para fazer piadas com vasos sanitários, bichos de estimação, a indústria do consumo, avatares insinuantes em chats, a Máfia dos caixões e flatulências. Tudo isso em cerca de 4 horas de jogabilidade, que são curtas mas vão deixar você de queixo caído esperando uma continuação.

Breathedge
E aí, tudo beleza?

A desenvolvedora russa RedRuins Softworks parece ter saído de lugar nenhum, mas de cara já entrega, mesmo em Acesso Antecipado, um título divertido que combina dois universos tão distintos: o mundo-cão dos jogos de sobrevivência, onde se preocupar com a água, a comida, a fadiga e os elementos são essenciais para se manter vivo, e a mais pura zoação descompromissada. E, contrariando todas as expectativas, nenhum conceito fica no caminho do outro.

No modo história, o único liberado até agora, você é o Homem, um cosmonauta russo involuntário que estava em uma viagem espacial para levar o caixão do seu finado avô para repousar entre as estrelas. Nesse futuro sem sentido, isso é uma atividade perfeitamente comum e gerenciada por uma aparentemente bem-sucedida corporação. Mas uma catástrofe acontece e a espaçonave é reduzida a escombros no meio de lugar nenhum no vazio do espaço sideral e você é, ao que tudo indica, o único sobrevivente. Sua única esperança é ativar o sistema de telecomunicações, chamar um resgate e esperar pelo melhor.

Breathedge
Opa, esse aqui está ocupado.

E é claro que o melhor não vai acontecer, ou não seria um título cômico. Sua principal preocupação é o oxigênio, mas alimentação, água e respostas também estão na sua lista de prioridades. Felizmente, você não está tão sozinho assim: uma inteligência artificial sarcástica, mas simpática, está equipada e ativa no seu traje espacial, cortesia da mesma empresa de funerais cósmicos que te trouxe até aqui, seja lá onde esse “aqui” for. No corrente momento, “aqui” é um pedaço de fuselagem intacto em um mar de destroços, o vácuo e uma bela paisagem no horizonte. Como o filho bastardo de Subnautica e Gravidade (o filme, aquele que levou sete Oscars pra casa), você pode ir em qualquer direção e explorar tudo que poder. Pelo menos até o oxigênio acabar. Aí, nesse caso, é melhor retornar para a segurança. Sabe como é.

A liberdade de Breathedge vai até onde a sua engenhosidade de jogador permitir. Depois de algumas missões introdutórias, que explicam como funciona a coleta de recursos, a fabricação de itens e o seu banheiro, o jogo coloca um destino bem distante para você e praticamente pede para você se virar. A partir daí, ele brilha com ainda mais intensidade, com cada conquista sendo suada e merecida, na medida que você se adapta a essa situação, aprende a se movimentar em um ambiente com zero atrito, fabrica elementos e vai se familiarizando com os arredores. A grande vantagem aqui em relação a muitos títulos de sobrevivência é que o mapa foi feito à mão e não deixado ao acaso de algoritmos e o pessoal da RedRuins caprichou em situações e encontros, no mínimo, bizarros. Tente evitar o consumo excessivo de shawarma, se possível.

Breathedge
Esse é o seu novo quintal!

Os gráficos são de tirar o fôlego, se me permite o trocadilho. Breathedge estimula a exploração não-linear e desafia você a testar os limites do seu pulmão ou criatividade. O preço disso talvez seja uma base insossa, cujos segredos valem a pena conhecer, mas se esgotam em questão de minutos. No futuro, a desenvolvedora prometeu um sistema de aperfeiçoamento da base, com construção de objetos decorativos e funcionais, o que também significa que seu personagem está mesmo frito e não deve retornar à civilização tão cedo. Mas é um destino aceitável, se isso significa uma televisão gigante, um console e um abajur estiloso. Quem não quer um abajur estiloso?

A RedRuins Softworks jura que o título terá cinco capítulos, com o segundo sendo lançado até o final desse ano. Não me espantaria se eles sumissem com o dinheiro de todo mundo e torrassem a grana com um voo na SpaceX: seria um desfecho digno de Breathedge e seu senso de humor. E nem mesmo ficaria irritado, uma vez que o pouco de jogo que já existe é muito mais divertido do que aquela dúzia de jogos de sobrevivência a um real lá do início do texto. 

selo parceiro nvidia

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

1 comentário
Subscribe
Notify of
guest
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Wagner Bonfiglio
Wagner Bonfiglio
3 anos atrás

Muito bom o review! O primeiro parágrafo já prende para conhecer mais sobre essa mistura inusitada, mas já foi o suficiente para eu querer comprar o jogo 🙂

Espero que os russos não fujam com a nossa grana em um voo só de ida da SpaceX, pois eu não seria tão compreensível como você (pelo menos antes de jogar o game)

Publicidade
1
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x