Conecte-se conosco

Reviews

Review – Anodyne 2: Return to Dust

Publicado

em

anodyne 2 bg

A primeira impressão que Anodyne 2: Return to Dust me passa é estranhamento. Não é algo que à primeira vista estou acostumado a jogar. Parece, de início, um jogo de plataforma típico da geração do Playstation 1, uma impressão que logo se esvai para dar lugar a um labirinto em 16 bits com quebra-cabeças e chefes como os de qualquer Zelda. Mas creio que o melhor é tentar começar bem do início da coisa toda.

Anodyne 2 começa com Nova, a protagonista, dentro de um ovo. Mas é claro que não é um ovo comum, e sim cheio de criaturas com as quais você deve interagir. A coisa toda começa até simples, com gráficos típicos da geração PS1 / N64. Nova pode andar pelo mundo 3D nonsense do mesmo modo que Link em Ocarina of Time, ou quase isso, e as criaturas dentro do dito ovo te dão instruções de como navegar por este mundo estranho.

O ovo é tudo

É dentro do ovo que você toma contato com as primeiras mecânicas do jogo. Chega até ser bem simples. Nova pode caminhar pelo cenário 3D e interagir com os habitantes do lugar. Mas é aí que as coisas se complicam um pouco. Cada habitante tem um objeto necessário ao nascimento de Nova, que deve ser pego de dentro deles e então Nova entra nessas criaturas. Isto é uma coisa recorrente do jogo.

Seu interior é muito semelhante a boa parte dos jogos de aventura que vimos na época do Super Nintendo, especialmente Zelda: A Link to the Past. Contudo, ao contrário de uma espada, temos um aspirador de pó para capturar pedras e jogá-las nos inimigos, e também dá para capturar os inimigos e jogá-los em outros, mas isso nem sempre funciona.

imagem do jogo Anodyne 2 Return to Dust
O ambiente de dungeons lembra bastante os clássicos de SNES

Quebra-cabeças simples de tutorial lhe mostram como interagir com aquela dungeon. Coisas do tipo: pegue duas chaves para abrir a porta ou não matar um inimigo em especial para que outra não feche. Tudo isso em conjunto com o fato de que você não tem uma forma de combate direto, apenas o aspirador de pó.

Devo dizer que esse modelo de exploração me animou. As dungeons não são tão loucas visualmente como o mundo exterior, e isso traz uma sensação de familiaridade. É como todos aqueles jogos antigos que você jogou quando era criança, o que acaba criando uma experiência muito boa no fim das contas.

No final dos níveis, sempre havia um chefe que você precisava destruir para obter o item necessário para prosseguir na história. Então, depois de passar por umas poucas criaturas, você estava finalmente livre do ovo e pronto para ver o mundo com seus próprios olhos. E que mundo é esse!

Anodyne 2 3
Pode não parecer, mas isto é um personagem do jogo.

Depois do nascimento

Ao final do tutorial do ovo, você é apresentado ao mundo completo de Anodyne 2: Return to Dust. Nova é uma espécie de gari glorificada, que deve limpar a sujeira que está ameaçando a todos. Sério, as pessoas ficam doentes quando infectadas pela sujeira. E é isso. Infelizmente não há mais nenhum grande desenvolvimento da história. Talvez tenha ficado decepcionado pelo jogo não ter cinco reviravoltas por minuto como a maioria dos jogos do gênero tem, mas isso sou eu… A maioria das pessoas não deve se importar muito.

Outro ponto negativo é a seção 3D em que você se locomove e fala com os outros personagens. Não consigo ver uma necessidade absoluta nisso que não seja somente trazer estranheza para o jogador. Os cenários são o supra-sumo do bizarro, assim como seus habitantes. Talvez as coisas teriam ficado melhores se os desenvolvedores tivessem se limitado aos gráficos 2D e 16 bits das dungeons.

magem do jogo Anodyne 2 Return to Dust
E você se transforma num carro legal! Tudo fica melhor com carros!

Porém esses defeitos logo são sempre suplantados pela dungeons cheias de quebra-cabeças. São muito bem feitas e com uma dose de desafio certa. Não são muito fáceis, nem infernais como era A Link to the Past por exemplo. Gosto de pensar que é um bom meio termo a que os jogos deviam se guiar.

Finalizando, Anodyne 2: Return to Dust é um jogo para aqueles que gostam de um bom adventure como os do passado. Não se deixe enganar pelas bizarrices, pois o jogo é muito bom no que se propõe e entrega o que promete. Com dungeons bem desenhadas e um mundo intrigante, é uma ótima pedida para aqueles em seu radar.

Ou seja, para as pessoas que não se incomodam com golfinhos com pernas e pinguins com trombones enfiados na boca.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Prós

  • Dungeons no estilo clássico
  • Ambientação criativa
  • Os gráficos em 2D são excelentes

Contras

  • Às vezes apela demais para a esquisitice
  • Seções em 3D são inferiores
  • Música irrelevante
Clique para comentar
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Publicidade
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x