Conecte-se conosco

Reviews

Review – Sam & Max Save the World – Remastered

Publicado

em

Review Sam and Max Save the World Remastered CAPA 1

Considerado o primeiro jogo episódico de sucesso da história dos videogames, Sam & Max Save the World era uma obra-prima dos primórdios da Telltale Games. A empresa foi fundada por membros da LucasArts que trabalharam em Freelance Police, sequência direta de Hit the Road, de 1993, e a intenção era resgatar os personagens de quadrinhos de volta ao mundo dos jogos no novo formato. Uma baita saga para qualquer nerd. Porém, estavam esquecidos no limbo desde a década passada e parece que chegou o dia de brilharem novamente.

Agora, em 2020, finalmente temos uma nova chance de experimentar este clássico. Trazido de volta à vida pela Skunkape Games, a releitura da história dos animais antropomórficos traz os heróis para a atual geração com gráficos e vozes completamente retrabalhados, para se adequarem ao formato de hoje. Além disso, foi prometido corrigir os bugs e problemas causados pelas limitações que os PCs de 2006 tinham. A pergunta que não quer calar é: será que continua tão divertido quanto era a mais de 10 anos? E a resposta é um óbvio “SIM”.

Salvando o mundo aos poucos

Pulando basicamente duas gerações de games, Sam & Max Save the World – Remastered traz os policiais freelancers de volta à investigação de casos curiosos que rondam sua vizinhança e que vão se expandindo até uma ameaça ao planeta inteiro. Dividido em seis capítulos, você terá de descobrir como salvar o mundo de ser hipnotizado enquanto avança na história. Por mais que cada um conte uma história separada, todos eles têm esse fio condutor em comum e isso que vai te guiar no seu trabalho contra os foras-da-lei.

Partindo que a história é um dos elementos mais importantes, os personagens são fundamentais para ela se desenrolar. Sam, o protagonista, é um cão enorme, que tenta manter a seriedade e filosofia do trabalho. Obviamente que não consegue, mas nem se compara ao insano e caricato Max. O coelho é a junção dos gênios malignos do Pernalonga com o Pica-Pau, se pudesse descrevê-lo num ser. Desde o início você vê as maiores atrocidades saindo das mãos dele e, apesar de suspeitar da saúde mental de quem o criou, também rende as risadas que dará por toda a saga.

Imagem do review de Sam & Max Save the World - Remastered
Max é a criatura mais maléfica que já vi em um jogo.

Os dois, juntos, passam por muitas situações constrangedoras que traz todo o tom da história. Apesar de algumas escolhas de roteiro ter a moral extremamente duvidosa, o intuito ali é bem claro de praticar um paralelo ao universo dos desenhos animados que citei acima. Nenhuma criatura ali é santa, por mais que seus ideais sejam limpos. Essa proximidade de mídias fará até a pessoa com a cabeça mais fechada possível e chata dar uma risada aqui e ali, então não se sinta culpado se acabar rindo de algo cruel no meio. É normal.

Eles não são os únicos que parecem ter algum tipo de desordem nesse universo. Os astros infantis que aparecem aqui e ali pelos episódios, os Soda Poppers, são ridicularmente irritantes e sempre estão envolvidos em algum tipo de ação com caráter duvidoso. Bosco, o dono da loja de inconveniência, está sempre criando objetos convenientes demais e que são vendidos por preços absurdos. Já Sybil aparece com um emprego diferente em cada capítulo, de psicóloga, advogada, jornalista etc.

Imagem do review de Sam & Max Save the World - Remastered
A personagem Sybil não fica parada na carreira.

Até mesmo os oponentes são icônicos, não podendo faltar nessa citação o maléfico Brady Culture, um artista antigo que gostaria de hipnotizar a todos para ter sua fama de volta. Todos esses elementos se unem aos próprios Sam & Max para trazer um ambientação clássica cartunesca e uma experiência de que estamos interagindo como um verdadeiro desenho animado apresentaria, igualzinho como é na televisão.

Algo que eu gostaria de destacar aqui é, após ver os puzzles, eu absolutamente não sei o que aconteceu com a Telltale Games com o passar do tempo. Eu sou um fã de vários jogos recentes da produtora, The Wolf Among Us, Batman e até mesmo o fraquíssimo Guardiões da Galáxia me divertiram. Por mais que eu goste deles, ver Sam & Max Save the World – Remastered me fez ter um gostinho do que é um quebra-cabeça de verdade.

Imagem do review de Sam & Max Save the World - Remastered
A jornada para resolver o puzzle não é simples.

Não me entendam errado, o jogo não é difícil, mas ele passa muito longe de ser fácil e simples. Você tem que estar muito atento às dicas e ao ambiente. Para avançar, precisa ser sagaz, ter aquela ideia que desafia o senso comum e é o único jeito de prosseguir. Eu estava muito mal-acostumado ao formato atual da empresa, o que se mostrou um verdadeiro desafio no primeiro capítulo. Porém, do segundo em diante, não tive tantos problemas nesse aspecto.

Isso realmente me surpreendeu, pois o foco atual da Telltale era algo que investia muito mais nos diálogos e na história em geral. Aqui, a trama também tem a sua importância, porém você tem de interagir muito mais com tudo e ter ideias para conseguir ver mais dela. Não sei em qual ponto decidiram mudar essa linha, mas obviamente foi um dos responsáveis pelas reclamações de queda de qualidade que tiveram nos últimos lançamentos.

Imagem do review de Sam & Max Save the World - Remastered
Às vezes o Bosco dá umas dicas boas, confie nele.

Travando Sam & Max

Voltando a Sam & Max Save the World, esses puzzles são a peça central do game. Eles não se limitam apenas aos diálogos ou objetos, mas os cenários também são essenciais para a sua consideração. Em alguns trechos, você tem de enxergar o contexto geral e criar uma situação no meio dele para dar sequência aos eventos. Caso não preste atenção, prepare-se para ficar travado.

Apesar de ter adorado jogar, muitos fãs dos moldes atuais da Telltale vão cair nesse buraco de travar onde a cabeça exigir demais. Eu sei que existe YouTube, FAQs e tudo que é informação hoje na internet, mas se for igual a mim, que vai no jogo sem querer ver nada a respeito, dará bastante trabalho. E a paciência dos gamers de hoje é algo que não deve ser tirada da equação. Com certeza muitos vão amar, outros vão abandonar pela dificuldade e xingar muito no Twitter.

Imagem do review de Sam & Max Save the World - Remastered
Use a cabeça para não travar durante os puzzles.

Outra grande dificuldade que enfrentei com ele foi com um erro que me fez passar muito ódio. Joguei no Nintendo Switch, então não é incomum pausar o título para alguma outra atividade rápida. Responder mensagem, tirar roupa do varal numa tempestade que saiu do nada, dar um pulo no banheiro etc. Quem nunca, não é? Ao retornar, o jogo estava completamente travado, sem chances de fazer qualquer coisa. Se eu sou obrigado a pausar em algo que leva tempo, terei de reiniciar o game. Simples assim.

Durante a avaliação, houve uma atualização que prometia resolver alguns problemas causados no aparelho, mas este se manteve e eu preferia voltar para o menu inicial para congelar as atividades do que pausar. Creio que um patch resolva isso futuramente, mas até esse dia chegar os donos de Switch terão mais dor de cabeça com isso do que imaginam. Afinal de contas, o pause é um reflexo automático de quem joga, não tem como escapar dele.

Imagem do review de Sam & Max Save the World - Remastered
Travou? Reinicia o jogo que não sairá do congelamento.

Mesmo com essas reclamações, a remasterização faz um ótimo trabalho ao trazer Sam & Max Save the World de volta à ativa.  Tanto a questão da trilha-sonora quanto as vozes foram mantidas na dublagem original, apenas com ajustes no som para soar o melhor possível.

Falando na dublagem, céus, os Soda Poppers têm a voz mais irritante que já ouvi no mundo dos games e olha que eu joguei Mortal Kombat X com a Pitty falando que ia equalizar a minha cara. Sei que é proposital, gera antipatia com os personagens, mas podiam ter mudado isso que ninguém reclamava.

Imagem do review de Sam & Max Save the World - Remastered
Quando os Soda Poppers abrem a boca criam outro problema.

Em quesito visual, nada da essência do original foi retirado. Ele continua tão cômico e limpo quanto já foi no passado e tudo é claramente visível na sua tela. O recurso de jogabilidade de apertar o botão para o lado e checar as opções de interação também ajudam bastante a pensar no que fará em sua ação, além da possibilidade de jogar qualquer um dos capítulos em qualquer instante.

Extremamente divertido e cheio de desafios, Sam & Max Save the World – Remastered é um dos melhores games que já joguei da Telltale Games. A Skunkape Games fez um excelente trabalho ao trazer essa obra para as gerações mais recentes terem a chance de conferir um quebra-cabeça de verdade como não se vê mais hoje em dia. Mais do que recomendado se curte uma boa história e se gosta de desenhos animados, agora só precisam trazer de volta as HQs e o desenho animado que teremos o sucesso deles de volta para os anos 20.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Prós

  • Gráficos e vozes ficaram muito boas na nova geração
  • Muito bem-humorado, vai render várias risadas
  • Os puzzles são tão interessantes que faz os outros jogos da Telltale parecerem uma piada
  • Personagens extremamente carismáticos

Contras

  • Quem está acostumado com os jogos atuais da Telltale vai encontrar muita dificuldade
  • Versão do Switch trava o jogo inteiro quando pausa por alguns minutos
  • Alguém cala a boca dos Soda Poppers, por tudo que é mais sagrado
Clique para comentar
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Publicidade
0
Would love your thoughts, please comment.x