Conecte-se conosco

Reviews

Review – Warriors Orochi 4

Publicado

em

Imagem do jogo Warriors Orochi 4

Curioso perceber uma tentativa de inovar uma fórmula desgastada pela indústria onde o tiro acaba saindo pela culatra. Melhor ainda quando a própria desenvolvedora percebe seu grande erro, para as máquinas e retorna dando a volta por cima. Com Warriors Orochi 4, o lançamento mais recente da Koei Tecmo desenvolvido pela Omega Force, fica ainda mais claro o pedido de desculpas pelo último vacilo, quase como um agradecimento ao público fiel.

Apostando em pequenas evoluções, o novo título da franquia mais famosa do gênero Musou retorna em 2018 resgatando o que existe de melhor em todo seu acervo e apresenta um novo capítulo que claramente poderia ter sido o jogo tão sonhado pelos fãs de Cavaleiros do Zodíaco.

Pancadaria zodiacal

Ao ver o trailer de lançamento do jogo, a minha primeira impressão foi: nada disso faz sentido e estão tentando recriar o terceiro jogo dessa série. Erro meu! Acrescentar outras duas mitologias e ter Zeus como representante foi o responsável pelo agradável respiro ao gênero: a inclusão de magias. Desistindo da loucura que foi brincar com jogos de mundo aberto e que em nada combinava com as mecânicas das franquias, com os fracassos de Dynasty Warriors 9 e Samurai Warriors: Spirit of Sanada, agora temos o melhor título lançado até então. Explorando o visual possibilitado pela nova geração e resgatando o melhor da jogabilidade simples já consagrada, bastou apostar em reunir todos os personagens e aplicar novas mecânicas.

Imagem do jogo Warriors Orochi 4
Nada melhor do que reconhecer alguns rostos entre os 170.

Para quem não acompanha o cenário da franquia Warriors, ou mesmo os lançamentos desse gênero da Koei Tecmo, a série conhecida como Warriors Orochi surgiu como crossover entre outras duas franquias: Dynasty Warriors e Samurai Warriors. Muito Warriors num mesmo parágrafo, não é mesmo? Inevitável não abordá-los, pois Dynasty carrega heróis e mitologia chinesa enquanto Samurai foi responsável por trazer, principalmente para o Ocidente, recortes históricos e mitológicos do Japão.

Com um vilão em comum para as duas culturas, Orochi, o Rei Serpente (e não o personagem do Naruto), um novo universo foi criado para colocar em combate os principais heróis dos Três Reinos (China) e do período Sengoku (Japão). O vencedor dessa grande guerra seria o rival ideal, escolhido pelo poderoso Orochi para um embate final.

Imagem do jogo Warriors Orochi 4
Zeus sentando a porrada nos minions aleatórios.

Após o final do capítulo anterior, a história desse universo paralelo ganha um novo representante: Zeus, o Deus do Trovão. Acompanhando de longe e se divertindo com o encontro desses dois mundos, ele abusa do seu poder para recriar esse encontro (e consequentemente apagar novamente a memória de todos após sua festinha). Agora os 170 personagens criados pela desenvolvedora estão novamente reunidos, fortemente integrados pelos seus líderes (e, consequentemente, personagens principais), para reunirem os oito artefatos mágicos conhecidos como Braceletes Ouroboros.

Quantidade pode ser sinônimo de qualidade

Já não bastando juntar 170 personagens e utilizar os mais famosos para encabeçar o desenrolar da história, que carregam uma das mecânicas mais legais (da qual tratarei daqui a pouco), ainda temos a estreia de novas personalidades mundiais como Zeus, Athena e Ares, além de outros dois seres da mitologia nórdica que não revelarei para não estragar a história. São 50 missões principais e, carregando um pouco da experiência fracassada da tentativa anterior de realizar um jogo sandbox, mais de 20 missões paralelas divididas em cinco capítulos. Como se não bastasse, além do modo single player, você terá opção de jogar online ou local (com split screen), nos modos história, Free Mode e 3 vs 3. Muita coisa, não é mesmo?

Imagem do jogo Warriors Orochi 4
Magia e seu poder devastador.

Quando qualquer jogo promete tanto, normalmente as chances de fracassos são ainda maiores. Porém, Warriors Orochi 4 consegue entregar o suficiente dentro do esperado. Retomando diversas características dos seus antecessores, o portfólio imenso de personagens acaba sendo muito bem trabalhado, mesmo que exista certo desbalanceamento entre eles. Agora você não controla apenas um personagem, mas sim três; além dos combos tradicionais com ataques, você também poderá trocar entre os integrantes do seu trio de heróis e continuar um combo (quase) infinito.

Por melhor que seja o trabalho de moveset e com as animações dos golpes para todos os personagens, a preferência pelos principais nomes do jogo fazem com que vários personagens fiquem em segundo plano. No entanto, as opções de combate com os Charge Attack, Hyper Attack, Rage Mode ou até mesmo as magias executadas por conta das Sacred Treasures e as Deifications fazem com que as possibilidades de combos sejam gigantescas. Até mesmo aqueles que não ocupam os lugares mais altos na preferência dos gamers acabam tendo uma chance de estarem no seu time.

Imagem do jogo Warriors Orochi 4
Saudade do split screen para jogar com o coleguinha no mesmo sofá.

Um outro ponto positivo e que faz com que o fator replay desse lançamento seja altíssimo é o retorno da evolução das armas e personagens, possibilitando a compra de habilidades e aplicação de melhorias. Isso faz com que, além do modo história, todos os outros sirvam como respiro e opção para quem deseja masterizar um personagem. Com as escolhas corretas de personagem, arma, habilidades e a organização por Speed, Technique e Power do elenco, com certeza você poderá montar sua estratégia e diminuir bastante a dificuldade do jogo.

Embate mitológico

Supervisionado pelo próprio Yoshitaka Murayama, game designer famoso por Suikoden e outros títulos Musou da Koei Tecmo, esse jogo continua com o estilo de trilha sonora já conhecido, com aquela pegada épica e cheia de rompantes, além de apostar num belo visual e até mesmo partir para longe do Oriente. Prepare-se para visitar o Parthenon!

Imagem do jogo Warriors Orochi 4
Vilão? Não necessariamente.

Warriors Orochi 4 cumpre com a promessa e mostra a redenção da Koei Tecmo, sendo um dos Musou mais interessantes e divertidos desde Hyrule Warriors e One Piece Pirate Warriors 3. O que resta saber é: você terá a paciência necessária para testar os 170 personagens?

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Prós

  • História simples, porém aceitável para um musou
  • Jogabilidade simples e viciante
  • Ótima evolução do gênero e franquia
  • Visual muito bonito

Contras

  • Tirar S nas missões não é muito difícil
  • Demora muito para ter todos os 170 personagens
  • Problema de conexão para partidas online
Clique para comentar
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Publicidade
0
Would love your thoughts, please comment.x